Olá, bem vindo(a), faça seu login ou cadastre-se.

Minha Conta

Minha Cesta

(19) 99932-1809
    Home > Noticias > Astrônomos descobrem uma nova “super Terra” e 113 outros planetas

Astrônomos descobrem uma nova “super Terra” e 113 outros planetas

17/02/2017 - Por Kate Solomon


Astrônomos descobrem uma nova “super Terra” e 113 outros planetas

Astrônomos descobriram 114 novos planetas, 60 deles orbitando estrelas próximas ao nosso próprio sistema solar.


A descoberta mais interessante é uma “super Terra” extremamente quente, encontrada no quarto sistema estelar mais próximo do Sol, com uma superfície rochosa semelhante à da Terra. Ainda não se sabe se há água neste novo planeta.


Os cientistas deram à “super Terra” o nome de Gliese 411b, e afirmam que ela mostra que “praticamente todas” as estrelas mais próximas de nós têm planetas orbitando ao seu redor, o que até pouco tempo atrás era algo questionável.


Isso significa que as chances de que existam mais planetas como o nosso são bem altas, e os pesquisadores chegaram a dizer que alguns destes planetas “podem ser como a Terra”.


Para fazer as novas descobertas, os astrônomos analisaram quase 61 mil observações de 1.600 estrelas ao longo de um período de 20 anos.


Para isso, eles usaram o telescópio Keck-I, localizado no Havaí, Estados Unidos – um dos maiores telescópios do mundo – como parte da pesquisa Lick-Carnegie Exoplanet Survey, que teve início em 1996 sob a liderança de astrônomos da Universidade da Califórnia e do Instituto Carnegie de Ciências, em Washington.


Um pesquisador baseado na Europa e envolvido no projeto, Dr. Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, disse: “É fascinante pensar que quando observamos as estrelas mais próximas, todas elas parecem ter planetas em suas órbitas”.


“Isso é algo que os astrônomos não estavam convencidos até cinco anos atrás”.


“Estes novos planetas também nos ajudam a entender melhor os processos de formação de sistemas planetários, e oferecem alvos interessantes para o direcionamento de esforços futuros para analisar os planetas diretamente”.

 

Mais notícias